terça-feira, 19 de julho de 2011

Uma questão de comportamento



Eu nunca fui a uma parada gay. Isso ocorre porque concordo muito com Reinaldo Azevedo: hoje em dia as ONG's GLBTX(X = coloque aqui a letra que você quiser) represantam os homoafetivos e afins tanto quanto a CUT representa os trabalhadores. Minha opinião também não é nada lisongeira com relação às proeminentes lideranças religiosas que se firmam em nosso país - ou mesmo ao redor do mundo.

Ao longo dos anos, por tudo que vejo, em todos os meios, a conclusão a que chego é que praticamente toda militância é formada por um bando de fanfarrões, que aglutinam em torno de si uma massa desmiolada com a desculpa de defender uma causa, mas com o real intuito de advogar em causa própria, seja ela qual for - via de regra o auto-enriquecimento.

Isso não ocorre somente com os gays. Edir Macedo e Silas Malafaia são exemplos fortes do outro lado da corda: ambos se dizem defensores de Deus, mas saem por aí aliciando ignorantes enquanto fortalecem cada vez mais suas finanças e seu braço político. Em minha concepção, Deus não tem nada a ver com isso, nem com Myriam Rios, Anthony Garotinho, Leonardo Prudente e outro monte de corruptos  ou apenas idiotas que se dizem homens de Deus.

 Passei pela Paulista na noite que antecedeu a parada gay, e já vimos alguns cartazes de modelos sarados:  "Nem santo te protege"..  Ali no carro mesmo comentei com as pessoas o quanto achei aquilo tudo errado e desrespeitoso para com a fé alheia. Acredito que se alguém quer ser levado a sério e ser respeitado, deve primeiramente agir de maneira respeitosa, ética, correta. 

Essa briga estúpida entre religiosos e homossexuais nada faz por quem diz defender, seja a preservação da heterossexualidade (responsável pela entrega à adoção de dois recém-nascidos por semana em SP), e que conforme link acima já se encontra agredida pela ignorância alheia, seja da homossexualidade, que, sinceramente, muitas vezes não faz sua parte para ter respeito da sociedade mais conservadora.

Aí alguns dos desmiolados (aliciados pelos fanfarrões gays) bradam: "queremos que se lixem os conservadores!", sem notar que escandalizar o mundo não é, nunca foi, e jamais será o melhor caminho para se chegar a qualquer lugar diferente da berlinda.

Eu, individualmente, posso dizer seguramente que tenho minha sexualidade respeitada. No meu trabalho, na minha família, entre meus amigos, e isso inclui a maioria absoluta dos evangélicos que conheço - alguns deles bastante conservadores. Isso ocorre porque eu não afronto símbolos da religiosidade alheia, não ofendo, e sou civilizada. Lógico que também ocorre pela cabeça sadia de todas essas pessoas.

Já o conjunto, que me prejudica inclusive no que diz respeito aos meus direitos civis, enquanto continuar imerso na barbárie (e digo isso tanto dos favoráveis quanto dos contrários a qualquer causa), não irá muito além do que vemos hoje: insensatez fomentando a ignorância generalizada.

8 comentários:

  1. "Em minha concepção, Deus não tem nada a ver com isso, nem com Myriam Rios, Anthony Garotinho, Leonardo Prudente e outro monte de corruptos ou apenas idiotas que se dizem homens de Deus.". Onde eu assino, hein? Texto excelente!

    ResponderExcluir
  2. Eu também concordo muito com o teu texto Lana. Apesar de crer que ainda existem militâncias sérias, que vão além dos interesses particulares e dos egos inflados pela possibilidade de uma matilha alienada disposta a matar e morrer por uma causa que, sequer, sabe se tem identidade.

    Também acho que os movimentos confundem tudo, botam muito a perder em nome de suas vaidades, do seu sectarismo, da sua falta de coletividade. Não compartilho de atos como as "paradas" que perderam seu cunho político e de luta por direitos para se transformarem em desfile carnavalesco e motivo de riso gratuito dos que se vestem de "apoiadores da causa" e não passam de preconceituosos que foram ali para se divertir e se munir de motivos para depreciar um segmento.

    Não consigo imaginar construção de igualdade pautada na necessidade de sobrepor qualquer coisa a outra. Para mim ainda vale o "diferentes, mas não desiguais".

    Adorei o texto!

    =)))

    ResponderExcluir
  3. Não tinha lido nenhum outro texto que tivesse expressado tão bem o que penso sobre o tema.
    De fato, respeito se conquista com respeito.

    ResponderExcluir
  4. Perfeito.

    Onde é que eu assino?

    ResponderExcluir
  5. É, acho que tanto os religiosos quanto os gays devem ter um posicionamento digno e respeitoso, se querem ser tratados com dignidade e respeito.

    ResponderExcluir
  6. "escandalizar o mundo não é, nunca foi, e jamais será o melhor caminho para se chegar a qualquer lugar diferente da berlinda"

    Muito bom Dona Lana!

    ResponderExcluir
  7. Vocês fizeram tantos elogios q fiquei até desconcertada... hehehe

    ResponderExcluir