terça-feira, 11 de outubro de 2011

É a crise


Quando eu leio autores norte-americanos (ou estadunidenses, para os mais puristas) entendo porque a maioria era de figuras arredias, solitárias, antissociais. Imagino Walt Whitman, Emily Dickinson, Edgar Allan Poe, Nathaniel Hawthorne, Bukowski olhando as pirações da sociedade na qual eles viviam e dizendo "Onde é que eu vim amarrar o meu bode??"
Está bem, a nossa também tem lá suas bizarrices, (algumas, vejam só, meras cópias das deles), mas é verdade que em matéria de doideira os americanos talvez só tenham um rival à altura, os japoneses. 
Os EUA, segundo uma amiga minha nativa de lá, é uma espécie de tio chato do mundo, que só se garante no porrete para exacerbar sua esquizofrenia e vive escondendo o rombo do cartão de crédito e que para pagá-lo vai explorar os sobrinhos pobres. Mas, ainda segundo ela, a crise de agora é tão braba que o resto de massa cinzenta - algo complicado de existir para um americano médio - como diria o nosso saudoso Mussum "empirulitou-se"
Exemplo disso é o deputado da Flórida que ao invés de apresentar propostas eficazes para combater o desemprego (seria eleito lindamente no Brasil) diz que a melhor formar de reduzi-lo é voltar ao esporte de lançamento de anões. Isso, o mais complicado é imaginar que isso JÁ foi algo popular entre nos anos 80 em que os bebuns de Miami iam a clubes noturnos para ver os anõezinhos voarem como homens-bala (e arriscando-se a quebrar seus pescoços, com isso). 
O nobre deputado diz que com tal emprego os anões podem ser felizes... 
Por que o nobre deputado não trabalha de homem-bala?

5 comentários:

  1. Sabe o que é pior? É todo esse discurso sobre liberdade e etc. Como uma pessoa ser lançada na parece por garantir que ela seja feliz? Por que não dar a ela o direito de encontrar outros empregos? O pior é que muita gente ainda cai nesses discursos absurdos? O que ele quer mesmo falar com "governo big brother"? O fato é que as pessoas lançam argumentos que fazem algum sentido mesmo que não se saiba exatamente qual e as pessoas compram. Eu acho assim, se ele tiver filhos, ele deveria lança-los umas dez vezes na parede, se ainda assim ele achar legal, a coisa pode começar a ser discutida. Quer saber, nem assim.

    às favas com esse cara!

    ResponderExcluir
  2. Meu deus......será que são por esses "detalhes" é que o único local no Universo que não me atrai para visitar seja o país de George Bush?

    Lamentável.

    Por isso que é complicado acreditar no ser humano.

    Preferia ser da especie animal......irracional.

    Irracional mesmo?

    ResponderExcluir
  3. Nossa choquei! Os homens bala que vemos nos desenhos animados eram anões jogados nas paredes? Em condições que poderiam ficar paraplégicos?

    Achei que fosse mais uma atração de circo com seus perigos como entrar na boca do leão ou subir numa fita a 30 mts de altura sem uma rede embaixo ou entrar numa bola de ferro com 05 motos girando e tals...
    Mas se é assim então tá.

    ResponderExcluir
  4. E o Zé Simão ainda diz que nós é que somos o país da piada pronta.

    ResponderExcluir